Especialista faz alerta sobre a Polygon e diz que o MATIC vai ‘flopar’: ‘Próximo Chainlink’

Falando em promover “um sistema financeiro aberto” por meio de novos aplicativos descentralizados (DApps), a exchange de criptomoedas Huobi engrossou as fileiras das blockchains de camada 2 (L2) esta semana ao anunciar uma parceria com o ecossistema BitTorrent. Caminho semelhante ao da concorrente Coinbase, que decidiu por sua própria solução de escalabilidade da rede Ethereum ao revelar que vai desenvolver sua blockchain, a Base, utilizando a linguagem de programação da rede Optimism, o que favoreceu a alta de até 180%  de dez criptomoedas nos últimos dias, no hype da Coinbase.

Mas, a BitTorrent Chain e a Base podem não ser as maiores “pedras no sapato” da rede Polygon, considerada a principal blockchain voltada à interoperabilidade da Ethereum, o que se soma a outras movimentações envolvendo o projeto. Pelo menos esta é a avaliação do apresentador anônimo do canal InvestAnswers, que possui 441 mil inscritos no YouTube, em uma transmissão da última segunda-feira (27). 

Segundo o especialista, que afirmou ter trocado 65% de seus tokens da rede Polygon, o MATIC, por SOL, altcoins da blockchain de camada 1 Solana, o principal concorrente da Polygon é a rede Arbitrum, que não possui um token nativo, por enquanto. O que não foi empecilho para a alta de até 425% de 10 criptomoedas da rede Arbitrum em janeiro.  

Ele ainda apontou outras preocupações relacionadas à Polygon, uma delas o fato de a blockchain pagar por projetos envolvendo tokens não fungíveis (NFTs) utilizarem a rede, além de problemas relacionados à velocidade, inflação e concentração de baleias sobre o MATIC. 

O analista ainda sugeriu que o desempenho do MATIC durante o atual mercado de baixa seguirá os mesmos passos do LINK, token nativo da rede de oráculos descentralizados Chainlink, entre o inverno cripto de 2018 e 2022.

“Sim, [o MATIC] se saiu muito bem no mercado de baixa, mas as coisas que normalmente vão bem no mercado de baixa não vão bem no mercado de alta, e isso comprovado também na história. Veja Chainlink em 2018 e veja em 2022. É uma analogia muito boa.”

Enquanto não sentem as possíveis dores da profecia do especialista, na última semana dez criptomoedas relacionadas à rede Polygon ignoraram o “mimimi do mercado” e subiram até 255% em sete dias, conforme noticiou o Cointelegraph Brasil.

LEIA MAIS:

Fonte

Related articles