Coreia do Norte roubou mais criptomoedas em 2022 do que em qualquer outro ano, aponta relatório da ONU

Related articles

Um relatório confidencial das Nações Unidas revelou que hackers norte-coreanos roubaram mais criptoativos em 2022 do que em qualquer outro ano.

O relatório da ONU, visto pela Reuters, teria sido submetido a um comitê de sanções de 15 membros da Coreia do Norte na semana passada.

Ele descobriu que hackers ligados à Coreia do Norte foram responsáveis por entre US$ 630 milhões e mais de US$ 1 bilhão em criptoativos roubados no ano passado, depois de atacar redes de empresas aeroespaciais e de defesa estrangeiras.

O relatório da ONU também observou que os ataques cibernéticos eram mais sofisticados do que nos anos anteriores, tornando o rastreamento de fundos roubados mais difícil do que nunca.

“[A Coreia do Norte] usou técnicas cibernéticas cada vez mais sofisticadas para obter acesso a redes digitais envolvidas em finanças cibernéticas e para roubar informações de valor potencial, inclusive para seus programas de armas”, disseram os monitores independentes de sanções em seu relatório ao Comitê do Conselho de Segurança da ONU.

Na semana passada, um relatório de 1º de fevereiro da empresa de análise de blockchain Chainalysis chegou a uma conclusão semelhante, ligando hackers norte-coreanos a pelo menos US$ 1,7 bilhão em criptomoedas roubadas em 2022, tornando-o o pior ano de todos para os hacks de criptomoedas.

Os hackers norte-coreanos estão roubando mais criptomoedas do que nunca. Fonte: Chainalysis

A empresa nomeou os sindicatos cibercriminosos como os “hackers de criptomoeda mais prolíficos dos últimos anos”.

“Para contextualizar, as exportações totais da Coreia do Norte em 2020 totalizaram US$ 142 milhões em mercadorias, então não é exagero dizer que o hacking de criptomoedas é uma parte considerável da economia do país”, disse Chainalysis.

De acordo com a Chainalysis, pelo menos US$ 1,1 bilhão do saque roubado foi retirado de hacks de protocolos financeiros descentralizados, tornando a Coreia do Norte uma das forças motrizes por trás da tendência de hacking DeFi que se intensificou em 2022.

Chainalysis revelou que hackers norte-coreanos tendem a enviar grandes quantias de seus fundos roubados para mixers. Fonte: Chainalysis.

A empresa também descobriu que hackers ligados à Coreia do Norte tendem a enviar grandes somas para misturadores como Tornado Cash e Sinbad.

“Na verdade, os fundos de hacks realizados por hackers ligados à Coreia do Norte passam para mixers a uma taxa muito maior do que os fundos roubados por outros indivíduos ou grupos”, disse Chainalysis.

A Coréia do Norte frequentemente nega as alegações de ser responsável por ataques cibernéticos, mas o novo relatório da ONU alegou que o principal departamento de inteligência da Coréia do Norte, o Bureau Geral de Reconhecimento, usa vários grupos como Kimsuky, Lazarus Group e Andariel especificamente para ataques cibernéticos.

“Esses atores continuaram a atacar ilicitamente as vítimas para gerar receita e solicitar informações de valor para a RPDC, incluindo seus programas de armas”, disse o relatório da ONU.

Submetido ao comitê de sanções da Coreia do Norte do conselho de 15 membros na semana passada, o relatório completo deve ser divulgado ao público no final deste mês ou no início de março.

VEJA MAIS:

Fonte