Centros de reabilitação agora oferecem terapia para ‘vício em criptomoedas’

Galeria imagens The Balance clinica vicio criptomoedas

Quando algo consegue provocar em você um sentimento extremo de euforia ou total decepção, provavelmente é viciante. É assim que a luxuosa clínica de reabilitação The Balance descreve as criptomoedas, acrescentando que o vício é similar ao de jogos de azar.

A The Balance é uma empresa de reabilitação que oferece programas de tratamento para ansiedade, esgotamento, depressão, transtornos de estresse pós-traumático e transtornos alimentares.

Ela é apenas uma das dezenas de centros de reabilitação de luxo que estão surgindo para oferecer tratamento para ajudar as pessoas a lidar com vício em criptomoedas.

Eles dizem, no entanto, que o tratamento pode ser diferente para cada pessoa e é importante procurar ajuda profissional para determinar o melhor caminho a seguir.

Com sede em Zurique e propriedades em Londres e Maiorca, a clínica tem fotos de uma villa à beira-mar e um spa, seu site apresenta depoimentos positivos de clientes anteriores e oferece tratamento em uma ilha privada com direito a mordomo, motorista e chef particular.

Related articles

O tratamento, que tem um custo mínimo de 75 mil dólares, cerca de R$ 386 mil, incluí terapia, massagens, ioga, passeios de bicicleta e cavalo.

Galeria imagens The Balance clinica vicio criptomoedas

Vício em criptomoedas

De acordo com uma matéria da BBC, que visitou a clínica e conversou com clientes e especialistas, o tratamento para o vício em criptomoedas é semelhante a outros vícios.

“É uma doença biopsicossocial, por isso requer uma intervenção biopsicossocial: medicamentos em alguns casos, psicoterapia individual e em grupo, mudança de hábitos e ambiente, (ou) implementação de atividades de substituição mais saudáveis”, disse Anna Lembke, professora de psiquiatria da Universidade de Stanford ao jornal britânico.

No entanto, alguns especialistas argumentam que o tratamento é semelhante ao do vício em jogos e deve ser tratado como tal, com críticos afirmando que os centros de reabilitação cobram preços elevados de pessoas desesperadas.

“Se você é ‘viciado’ em criptomoedas, apostar em esportes ou jogar na loteria, seus sintomas e tratamento serão praticamente os mesmos.”

Atualmente, não existe uma regulamentação para especialistas que tratam vício em criptomoedas. Assim, pessoas com esse vício podem buscar ajuda de terapeutas ou executivos de centros de reabilitação que sejam certificados em outras áreas, como saúde mental e outros tipos de vícios.

Segundo especialistas em dependência, o vício em criptomoedas é ainda mais perigoso do que o jogo de azar. Isso se deve à instabilidade das criptomoedas e à disponibilidade constante de negociações, tornando-as mais emocionantes e viciantes.

De acordo com o diretor do Family Addiction Specialist em Nova York, Aaron Sternlicht, o vício em criptomoedas pode levar a comportamentos perigosos. Ele afirma que as pessoas que são viciadas começam a usar as criptomoedas como uma fonte de “emoção e prazer em suas vidas”.

Sternlicht identifica vários sinais de alerta, incluindo mentir, roubar, endividamento, dificuldades para relaxar ou dormir, monitoramento constante dos preços das criptomoedas e negociações que prejudicam relacionamentos, oportunidades de carreira e educação.

Segundo ele, é importante que as pessoas estejam cientes dos riscos envolvidos no vício em negociação de criptomoedas e busquem ajuda se necessário.

A clínica The Balance afirma que a sensação de euforia combinada com os enormes lucros e uma sensação de vitória é o que torna a negociação de criptomoedas mais viciante.

No entanto, os pontos baixos do mercado são equivalentes à abstinência para alcoólatras e viciados em drogas. Qualquer baixa que sofram os faz querer perseguir a ‘próxima alta’ com a esperança de que as coisas sejam mais lucrativas, entrando assim em um ciclo vicioso de dependência.

O vício em criptomoedas, de acordo com pesquisas e descobertas atuais, pode levar ao estresse, ansiedade, depressão e insônia. Além disso, algumas pessoas podem recorrer ao excesso de café, Adderall, cocaína ou outros estimulantes.

Os viciados em criptomoedas também são mais propensos do que o público em geral a acumular dívidas e falir completamente.

Terapia para vício em criptomoedas

De acordo com clientes ouvidos pela BBC, o tratamento para o vício em criptomoedas inclui sessões de terapia online que custam US$ 650 por hora, cerca de R$ 3.400, que incluem exames de sangue, planos de dieta personalizados, ioga, acupuntura e medicamentos quando necessário.

A abordagem é descrita como uma “abordagem de 360 ​​graus” para a saúde mental, abrangendo vários aspectos da saúde física e mental dos pacientes.

Os especialistas estão alertando que o vício em criptomoedas é frequentemente diagnosticado como resultado de outras condições. Em um caso, um paciente que procurou ajuda para a dependência de medicamentos para dormir descobriu que o vício em criptomoedas era a causa raiz.

Ele dormia mal e acordava de madrugada para monitorar os preços e o saldo de suas carteiras. “Eu suava muito antes de embarcar em voos de longa distância, pois não conseguiria acessar a internet”, disse ele à BBC.

O homem afirmou que tudo ficou pior em meados de 2022 — e foi aí que decidiu procurar ajuda, com a solução vindo na forma de uma estadia de quatro semanas na unidade da The Balance em uma ilha espanhola.

O vício em criptomoedas é cada vez mais comum e pode ser tão prejudicial quanto o vício em outras substâncias. A primeira etapa para solucionar o problema, de acordo com especialistas, é perceber que ele existe, e a pessoa pode optar por reduzir ou parar de negociar criptomoedas completamente.

A ajuda profissional é o melhor curso de ação, mas se não for uma opção, a pessoa pode tentar superar o problema por conta própria, seguindo conselhos e estratégias disponíveis.

  1. Limitar a quantidade de tempo e dia(s) gastos na negociação;
  2. Limitar a quantidade de dinheiro gasto na negociação;
  3. Envolva-se em outras atividades de passatempo;
  4. Encontrar outra fonte de renda;
  5. Terapia Cognitiva Comportamental;
  6. Programa de reabilitação.



Fonte