Banco em apuros pode causar mais uma crise nas criptomoedas, entenda o que acontece se o Silvergate quebrar

Silvergate ações

Silvergate, um banco que se tornou um importante player no setor das criptomoedas, está enfrentando problemas que podem afetar toda a indústria.

Embora a empresa tenha começado no mercado imobiliário, em 2014 ela entrou no mercado de criptomoedas, e desde então se tornou um importante parceiro para outras empresas do setor, incluindo a Coinbase, Gemini e Kraken, as maiores corretoras dos EUA.

O banco foi duramente afetado pelo colapso da FTX, o que resultou em uma corrida de saques que chegou a US$ 8,1 bilhões, e sua situação financeira se deteriorou ainda mais no último trimestre, com uma perda de US$ 1 bilhão.

Na última quarta-feira (1), o Silvergate entrou com um pedido regulatório surpresa, afirmando que seus resultados foram piores do que o divulgado anteriormente. Como resultado, a Coinbase, a Galaxy Digital, a Crypto.com, a Circle e a Paxos anunciaram que parariam de usar os serviços do banco, assim como outros clientes menos conhecidos.

Os problemas da Silvergate são preocupantes porque poucos bancos estão dispostos a se envolver com criptomoedas devido aos riscos envolvidos. Além disso, a maioria dos bancos tradicionais não permite que seus clientes realizem transações em dólares 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Related articles

Assim, o acesso ao banco que se move no ritmo das criptomoedas é raro e, se a Silvergate quebrar, isso pode empurrar fundos e criadores de mercado para outros países, afetando a liquidez e tornando as transações mais difíceis.

Crise do banco amigo das criptomoedas

O colapso da exchange de criptomoedas FTX em novembro do ano passado levantou preocupações sobre o impacto que a falência de uma grande empresa do setor poderia ter em toda a indústria.

Um dos principais afetados foi o Silvergate, banco com sede na Califórnia que se estabeleceu como a espinha dorsal do mercado de criptomoedas.

O Silvergate depende dos depósitos de clientes para operar, e cerca de 90% de sua base de depósitos vinha de empresas cripto que utilizavam seus serviços financeiros.

Quando a FTX faliu e o mercado de criptomoedas entrou em queda, o Silvergate sofreu imediatamente com a perda de US$ 8,1 bilhões em depósitos. O banco registrou uma queda de 95% no preço de suas ações desde agosto, que agora estão avaliadas em cerca de US$ 6.

Silvergate ações

Embora o CEO do banco, Alan Lane, tenha afirmado que a missão do banco não mudou, ficou claro que sua estratégia focada em criptomoedas estava em risco.

Na quarta-feira passada, o Silvergate anunciou que não seria capaz de apresentar seu relatório anual à Comissão de Valores Mobiliários a tempo, citando a necessidade de reavaliar sua estratégia de negócios e sua capacidade de continuar operando.

Como resultado, várias das maiores empresas de criptomoedas anunciaram que estavam reduzindo ou rompendo seus relacionamentos com o banco.

Os rumores de que o Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC) poderia declarar a Silvergate em concordata circularam entre os investidores, com a possibilidade de que outro banco, possivelmente o Wells Fargo, pudesse adquirir o Silvergate ou assumir seus depósitos.

Joseph Silvia, ex-conselheiro do Federal Reserve Bank de Chicago, disse que a situação do Silvergate é uma advertência para o setor, mas que ainda há oportunidades no mercado de criptomoedas.

Novo crash no mercado de criptomoedas

O setor de criptomoedas está enfrentando mais um revés com o colapso do Silvergate, com muitas empresas dependendo do banco para aceitar depósitos. Além disso, os efeitos do colapso do Silvergate não são sentidos apenas pelo banco.

A indústria de criptomoedas como um todo está enfrentando dificuldades em obter serviços bancários, uma necessidade crucial para manter a liquidez e a estabilidade financeira.

As outras empresas que oferecem serviços bancários no setor, como a Metropolitan e a Signature, já estavam se afastando das criptomoedas antes mesmo do desastre do Silvergate. Agora, a situação é ainda mais difícil para as empresas de criptomoedas obterem serviços bancários confiáveis e seguros.

O Silvergate era um banco de passagem para criptomoedas e não mantinha reservas nem pagava juros. O problema é que as corretoras sofrerão uma perda massiva de depósitos e será ainda mais difícil para elas obterem serviços bancários.

Enquanto muitos bancos estavam relutantes em trabalhar com empresas de criptomoedas, a Silvergate aproveitou a oportunidade e experimentou um enorme crescimento entre novembro de 2019 e novembro de 2021, atendendo a mais de 1.500 ativos digitais e empresas de tecnologia financeira até o final de 2022.

No entanto, com os crashs no mercado de criptomoedas, o banco também não podia mais contar com os mercados de capitais para financiamento, resultando na empresa revelando na semana passada que não estava bem financeiramente.

A Silvergate ainda está em operações, mas com dificuldades financeiras, ela precisa atender a certos requisitos de capital ou vender-se para outro banco. Se não atender a esses requisitos, pode receber um aviso de ação corretiva do FDIC e outras autoridades reguladoras.

O FDIC pode assumir o controle do banco a qualquer momento se enfrentar dificuldades financeiras mais imediatas. Embora haja rumores de que Wells Fargo seja um candidato a comprar o Silvergate, as especulações são incertas.

Em resumo, a indústria de criptomoedas ainda precisa desesperadamente de bancos para funcionar, e a falência da Silvergate pode tornar ainda mais difícil para as empresas cripto obter serviços bancários.

Não está claro se o Silvergate poderá superar esta situação. Mas, de qualquer forma, é certo que a indústria de criptomoedas se tornou mais frágil e instável. A busca por soluções financeiras seguras e confiáveis continua sendo um desafio importante para o setor.



Fonte