5 criptomoedas que subiram até 129% em semana de glória para os touros e outras 5 para ficar de olho

Related articles

Esta semana tem sido de glória para os touros do Bitcoin já que além de varrerem a falência do Silicon Valley Bank (SVB) ainda conseguiram romper com a forte resistência que havia em US$ 25 mil imprimindo um fechamento diário, nesta sexta, 17, acima de outra resistência, US$ 27 mil.

Com isso, os touros elevaram o preço do BTC em mais de 32% ao longo dos últimos 7 dias e aniquilaram os ursos que perderam mais de US$ 500 milhões em posições de Short, que apostavam na baixa da criptomoeda.

“Ao longo da semana o que vimos foi um movimento de alta muito forte no Bitcoin, acompanhado de alto volume de negociação e confirmando uma tendência de reversão em relação às semanas passadas. O Bitcoin foi o destaque número um da semana”, destaca Antonio Bertuccio, Head of Strategies iVi Technologies.

Segundo Bertuccio a alta do Bitcoin também pode ser explicada com uma narrativa que ganha cada dia mais força e que é muito divulgada pelos early adopters da tecnologia.

“A narrativa é que o Bitcoin, pelas suas características intrínsecas de escassez e descentralização, pode ser visto como um hedge e representar uma proteção contra a impressão de moeda fiduciária que acaba desvalorizando e comprometendo o poder de compra das pessoas”

Ele também destaca que o Bitcoin foi criado com uma capacidade máxima de emissão fixada em 21 milhões, portando ela é intrinsecamente anti-inflacionária.

“É importante salientar que o Bitcoin foi criado justamente após a crise do Subprime em 2008, e Satoshi Nakamoto deixou claro que aquela tecnologia seria importante em momentos de inflação e impressão de moeda” disse.

Naquela época ele aponta que o mesmo comportamento que está sendo adotado em 2023 foi realizado: bancos centrais imprimindo dólares e salvando bancos que acabaram se endividando e não aguentando as altas taxas de juros. 

“Também é importante salientar como as criptomoedas estão se descorrelacionando dos mercados americanos e essa tendência deve permanecer nas próximas semanas se a narrativa continuar a mesma”, disse.

5 criptomoedas que subiram até 129% 

No entanto, enquanto o Bitcoin subiu mais de 32% outras criptomoedas surpreenderam ainda mais e registraram altas ainda maiores de até 129%, como foi o caso do Conflux (CFX) que foi a altcoin com maior valorização na semana, entre as 100 maiores criptomoedas do mercado.

Conflux é uma plataforma de blockchain de alto desempenho e escalabilidade que visa resolver os problemas enfrentados por outras redes de blockchain. A rede Conflux utiliza um algoritmo de consenso baseado em Proof of Work (PoW) e um gráfico acíclico direcionado (DAG) para melhorar a eficiência e a capacidade de processamento de transações.

Com uma abordagem inovadora e uma arquitetura de camada dupla, a Conflux oferece soluções para o desenvolvimento de aplicativos descentralizados (dApps), contratos inteligentes e ativos digitais.

Em segundo lugar, entre as criptomoedas que mais valorizaram está a Stacks (STX) com alta de 96%, ela é uma plataforma de blockchain que visa trazer aplicativos descentralizados e contratos inteligentes para o ecossistema do Bitcoin.

A rede Stacks é construída sobre a infraestrutura do Bitcoin e utiliza um mecanismo de consenso chamado Proof of Transfer (PoX), permitindo que os usuários interajam com contratos inteligentes e dApps sem comprometer a segurança e a descentralização do Bitcoin.

Ao estender as funcionalidades do Bitcoin, a Stacks quer criar um ambiente robusto e seguro para o desenvolvimento de aplicativos e a criação de um ecossistema de Web 3.0.

Na terceira posição, entre as mais valorizadas, está a Immutable X (IMX) com 80% de valorização. A rede é uma solução de layer 2 para a blockchain Ethereum, projetada especificamente para games e metaverso.

Utilizando a tecnologia de rollups, a Immutable X permite que os usuários executem transações e interajam com NFTs de maneira rápida e ecologicamente sustentável, eliminando as taxas de gás e reduzindo o consumo de energia. A plataforma pretende tornar a tokenização de ativos e a propriedade digital mais acessível e eficiente.

Na quarta posição temos a SingularityNET (AGIX), com alta de 61% e que se beneficiou do hype em torno do Chat-GPT. A AGIX é uma plataforma de inteligência artificial (IA) descentralizada que visa criar um mercado global e aberto para IA e serviços relacionados.

Utilizando a tecnologia blockchain, a SingularityNET permite que desenvolvedores e empresas compartilhem e monetizem modelos e algoritmos de IA por meio de uma rede distribuída. A plataforma também possui sua própria criptomoeda, o token AGI, usado para facilitar transações e incentivar a colaboração dentro do ecossistema.

Fechando a lista das 5 que mais subiram na semana, temos a Fantom (FTM) com alta de mais de 40%. Ela é uma plataforma de blockchain de alta velocidade e escalabilidade que utiliza um modelo de consenso chamado Lachesis Protocol.

O protocolo Lachesis permite que a rede Fantom processe transações e execute contratos inteligentes com baixa latência e taxas de transação mínimas, tornando-a uma solução ideal para o desenvolvimento de dApps e infraestrutura de finanças descentralizadas (DeFi). Além disso, a Fantom oferece compatibilidade com a Ethereum, facilitando a interoperabilidade e a migração de projetos entre as duas redes.

5 para ficar de olho

De acordo com analistas consultados pelo Cointelegraph um grande movimento para acompanhar na semana é o airdrop da Arbitrum, a mais famosa solução de layer2 para o Ethereum. A Offchain Labs, desenvolvedora da solução de escalabilidade, lançará seu token $ARB através de um airdrop e anuncia a criação da Arbitrum Foundation e de uma DAO para governar suas blockchains Arbitrum One e Arbitrum Nova.

A empresa também revelou o Arbitrum Orbit, uma solução de dimensionamento de Camada 3 que permitirá aos desenvolvedores criar suas próprias cadeias escalonáveis baseadas em Arbitrum. Portanto, como este é um dos airdops mais esperados do ano, tokens do ecossistema como GMX e Dopex podem se beneficiar do hype.

Já para o Mel Gelderman, CEO da token.com, os investidores devem ficar de olho em ativos com a tecnologia Zero-Knowledge Proof.

“Muitos projetos diferentes estão aproveitando de Zero-Knowledge Proof para criar soluções de token úteis hoje. Eles podem ajudar a dimensionar blockchains e permitir a privacidade, permitindo maior rendimento sem comprometer informações confidenciais. Acreditamos que essa tecnologia pode ser a chave para desbloquear a adoção em massa de tokens, e é por isso estamos de olho em tokens como Mina, Polygon e StarkNet”, disse.

Segundo ele, a tecnologia Zero-Knowledge provavelmente moldará a história da Ethereum nos próximos anos e como o Ethereum enfrenta desafios de escala, muitos projetos estão usando Zero-Knowledge Proof para criar soluções de layer 2 conhecidas como ZK-Rollups.

“Empresas como StarkNet, zkSync e Loopring usam ZK-Rollups para agrupar transações, permitindo velocidades de transação mais altas e custos reduzidos. As Zero-Knowledge Proof certamente revolucionarão o espaço dos tokens, mas acho que a tecnologia pode ter um impacto maior do que a maioria das pessoas imagina. Como o próprio Vitalik Buterin disse, a tecnologia pode ser “tão importante quanto o blockchain” no futuro a longo prazo”, finalizou.

LEIA MAIS

Aviso: Esta não é uma recomendação de investimento e as opiniões e informações contidas neste texto não necessariamente refletem as posições do Cointelegraph Brasil. Cada investimento deve ser acompanhado de uma pesquisa e o investidor deve se informar antes de tomar uma decisão.

Fonte