Touros ignoram SEC e BTC volta a subir 2%

A principal criptomoeda do mercado, o Bitcoin (BTC), está cotada na manhã desta quarta-feira, 15/02/203, em R$ 115.417,56. Os touros elevaram o preço do Bitcoin em 2%, devolvendo ele para US$ 22 mil e praticamente ignoraram a SEC e sua investigação contra a Paxos, BUSD e Binance, que afetou a terceira maior stablecoin do mercado.

“Ontem saíram os dados da inflação americana e os dados vieram acima do esperado. Mesmo assim, o bitcoin terminou o dia no positivo, subindo quase 2% e ficando acima dos 22 mil dólares. Hoje o ativo recua 0,44%. O Ethereum fez um movimento parecido, subindo 3% ontem, mas hoje cai 0,6%. Nos dados on-chain seguimos com a acumulação dos investidores de longo prazo (LTH), que acumularam mais 5 mil bitcoins. No Ethereum, mais 34 mil novos ETH foram travados na Beacon Chain”, destacou André Franco, especialista do MB Research do Mercado Bitcoin.

Como aponta Fernando Pereira, gerente de conteúdo da Bitget, após dados do CPI, o índice de preços ao consumidor vir levemente maior que o esperado no dia de ontem, o mercado aguarda ansiosamente pelo PPI, o índice de preços ao produtor, a ser divulgado na quinta-feira. Esses 2 indicadores são os principais para que seja feita a estimativa de inflação.

“A análise por hora é do retorno da pressão compradora nas criptomoedas, e a probabilidade maior é da retomada do movimento de alta rumo aos 25 mil dólares, porém é importante ficar atento a esse dado, que pode mudar o humor do mercado”, disse.

Portanto, o preço do Bitcoin em 15 de fevereiro de 2023 é de R$ 115.417,56.

Curto prazo não é promissor

Tony M, analista da FXStreet, aponta porém que o curto prazo não é promissor e destaca que o preço do Bitcoin caiu abaixo de um limite significativo depois de perder 5% do valor de mercado na semana passada. Segundo ele, a análise técnica sugere que o Bitcoin pode sofrer um declínio mais acentuado no curto prazo.

“Os touros estão realizando seu primeiro ataque de contra-tendência ao declínio de 5% da semana passada. A resistência formada também é motivada por uma linha de tendência ascendente que remonta a 2018. A barreira forneceu suporte de alta e resistência de baixa durante a corrida de touros de 2019 a 2020”, disse.

Segundo ele, uma retração de Fibonacci em torno do rali de inverno de US$ 15.476 para a alta acumulada no ano em US$ 24.258 mostra um nível de retração de 61% do bolso de ouro em US$ 18.267.

“Portanto, se os touros não reconquistarem a linha de tendência ascendente, os traders podem esperar uma queda de 18% na zona de US$ 18.000 nas próximas semanas”, afirma.

O que é Bitcoin?

O que é Bitcoin? O Bitcoin (BTC) é uma moeda digital, que é usada e distribuída eletronicamente. O Bitcoin é uma rede descentralizada peer-to-peer. Nenhuma pessoa ou instituição o controla.

O Bitcoin não pode ser impresso e a sua quantidade é muito limitada – somente 21 milhões de Bitcoins podem ser criados. O Bitcoin foi apresentado pela primeira vez como um software de código aberto por um programador ou um grupo de programadores anônimo sob o codinome Satoshi Nakamoto, em 2009.

Houve muitos rumores sobre a identidade real do criador do BTC, entretanto, todas as pessoas mencionadas nesses rumores negaram publicamente ser Nakamoto.

O próprio Nakamoto afirmou ser um homem de 37 anos que vive no Japão. No entanto, por causa de seu inglês perfeito e seu software não ter sido desenvolvido em japonês, há dúvidas razoáveis sobre essas informações. Por volta da metade de 2010, Nakamoto foi fazer outras coisas e deixou o Bitcoin nas mãos de alguns membros proeminentes da comunidade BTC.

Para muitas pessoas, a principal vantagem do Bitcoin é sua independência de governos mundiais, bancos e corporações. Nenhuma autoridade pode interferir nas transações do BTC, impor taxas de transação ou tirar dinheiro das pessoas. Além disso, o movimento Bitcoin é extremamente transparente – cada transação única é armazenada em um grande ledger (livro-razão) público e distribuído, chamado Blockchain.

Essencialmente, como o Bitcoin não é controlado como uma organização, ele dá aos usuários controle total sobre suas finanças. A rede Bitcoin compartilha de um ledger público chamado “corrente de blocos” (block – bloco, chain – corrente). Esse ledger contém todas as transações processadas. Os registros digitais das transações são combinados em “blocos”. 

Se alguém tentar mudar apenas uma letra ou número em um bloco de transações, também afetará todos os blocos que virão a seguir. Devido ao fato de ser um ledger público, um erro ou uma tentativa de fraude podem facilmente ser detectados e corrigidos por qualquer pessoa.

A carteira do usuário pode verificar a validade de cada transação. A autenticidade de cada transação é protegida por assinaturas digitais correspondentes às dos endereços de envio.

Devido ao processo de verificação e, dependendo da plataforma de negociação, pode levar alguns minutos para que uma transação BTC seja concluída. O protocolo Bitcoin foi projetado para que cada bloco leve cerca de 10 minutos para ser minerado.

LEIA MAIS

Aviso: Esta não é uma recomendação de investimento e as opiniões e informações contidas neste texto não necessariamente refletidas nas posições do Cointelegraph Brasil. Cada investimento deve ser acompanhado de uma pesquisa e o investidor deve se informar antes de tomar uma decisão

Fonte

Related articles