Executivos do AirBit Club enfrentam décadas de prisão após se declararem culpados de fraude de US$ 100 milhões

Seis pessoas envolvidas em um esquema Ponzi de criptomoeda que arrecadou cerca de US$ 100 milhões em cinco anos se declararam culpadas de uma série de acusações de fraude e lavagem de dinheiro, cada uma com pena máxima de 20 a 30 anos de prisão.

Um dos fundadores do “AirBit Club”, Pablo Renato Rodriguez, foi o último a se declarar culpado de acusações de conspiração por fraude eletrônica em 8 de março.

De acordo com uma declaração de 8 de março do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, o AirBit Club era uma empresa falsa de mineração e trade de criptomoedas que operava entre 2015 e 2020, onde executivos e promotores induziam os investidores vítimas a acreditar que obteriam renda passiva garantida e lucros em qualquer associação comprada.

Operadores e advogados do esquema Ponzi global multimilionário de criptomoedas “AirBit Club” declaram-se culpados https://t.co/MT3mM9aqPV

— Procurador dos EUA SDNY (@SDNYnews) 8 de março de 2023

De acordo com o DOJ, os perpetradores viajaram pelos Estados Unidos, América Latina, Ásia e Europa Oriental para comercializar a AirBit em “exposições pródigas” para convencer os investidores a comprarem assinaturas do AirBit Club.

As vítimas viram “lucros” se acumularem no portal online do AirBit Club, mas nenhuma mineração ou negociação real foi realizada. Uma vítima que tentou sacar foi solicitada a “trazer sangue novo” para o esquema do AirBit Club para sacar seus fundos.

O procurador dos EUA, Damian Williams, disse que os operadores usaram fundos das vítimas para comprar carros, casas e joias de luxo. Alguns dos rendimentos foram usados para financiar mais exposições para recrutar mais vítimas também:

“Os réus aproveitaram o crescente hype em torno da criptomoeda para enganar vítimas inocentes em todo o mundo em milhões de dólares com falsas promessas de que seu dinheiro estava sendo investido no trade e mineração de criptomoedas.”

“Em vez de negociar ou minerar criptomoedas em nome dos investidores, os réus construíram um esquema Ponzi e pegaram o dinheiro das vítimas para encher seus próprios bolsos”, acrescentou.

Os réus foram acusados pela primeira vez em 18 de agosto de 2020.

Desde então, as promotoras sênior Cecilia Millan, Jackie Aguilar e Karina Chairez se declararam culpadas de uma série de conspiração de fraude eletrônica, conspiração de fraude bancária e acusações de conspiração de lavagem de dinheiro em 31 de janeiro, 8 de fevereiro e 22 de fevereiro, enquanto outro fundador, Gutenberg Dos Santos se declarou culpado das acusações de fraude eletrônica e conspiração para lavagem de dinheiro em 21 de outubro de 2021, de acordo com a declaração de 8 de março.

“Essas confissões de culpa enviam uma mensagem clara de que estamos indo atrás de todos aqueles que procuram explorar criptomoedas para cometer fraudes”, disse Williams.

As operadoras foram condenadas a perder seus lucros fraudulentos do AirBit Club, que incluem moeda fiduciária, imóveis e Bitcoin (BTC), avaliados coletivamente em cerca de US$ 100 milhões.

O Cointelegraph descobriu que ainda há vídeos dos representantes do AirBit Club comercializando o esquema de associação no YouTube.

O esquema frequentemente usava a hashtag “#AirBitBillionaireClub” e compartilhava várias histórias falsas de sucesso de investidores para tentar atrair mais vítimas.

O advogado da Califórnia, Scott Hughes, acusado de lavagem de dinheiro do esquema, também se declarou culpado das acusações de lavagem de dinheiro em 2 de março.

Rodriguez, Millan, Aguilar, Chairez e Hughes serão sentenciados em datas diferentes entre junho e agosto deste ano.

VEJA MAIS:



Fonte

Related articles