Ex-gestor de produto da Coinbase se declara culpado em caso de insider trading

Ishan Wahi, ex-gestor de produto da Coinbase Global Inc., se declarou culpado de duas acusações de conspiração para cometer fraude eletrônica em um caso que os promotores dos Estados Unidos rotularam como o primeiro caso de insider trading envolvendo criptomoeda.

Ex-gestor da Coinbase se declara culpado em caso de insider trading https://t.co/i6fG3c3wHc pic.twitter.com/zKfjqnNpzT

— Reuters (@Reuters) 7 de fevereiro de 2023

De acordo com uma reportagem de 7 de fevereiro da Reuters, os promotores alegaram que Wahi divulgou informações privadas a seu irmão Nikhil e ao amigo Sameer Ramani, sobre anúncios iminentes de novos ativos digitais que a Coinbase permitiria aos usuários negociar. Posteriormente, o anúncio fez com que os ativos aumentassem de valor, permitindo que Nikhil e Sameer Raman gerassem ganhos ilícitos de pelo menos US$ 1,5 milhão. Nikhil Wahi e Ramani foram acusados de usar carteiras blockchain Ethereum para adquirir ativos digitais e negociar antes dos anúncios da Coinbase.

“Eu sabia que Sameer Ramani e Nikhil Wahi usariam essas informações para tomar decisões de trading”, admitiu Ishan Wahi durante a audiência de 7 de fevereiro em um tribunal federal de Manhattan. “Foi errado apropriar-se indevidamente e disseminar a propriedade da Coinbase”, acrescentou.

Como parte de seu acordo judicial, Ishan Wahi concordou em ser condenado entre 36 e 47 meses de prisão. Sua audiência de sentença está marcada para 10 de maio. A Coinbase teria compartilhado suas conclusões de uma investigação interna sobre a negociação com os promotores.

Em 10 de janeiro, o Cointelegraph informou que o irmão de Ishan Wahi, Nikhil, havia sido condenado a 10 meses de prisão por acusações de conspiração por fraude eletrônica. Nikhil Wahi se declarou culpado em setembro de iniciar negócios com base em informações confidenciais obtidas de seu irmão. Ramani continua foragido.

No caso de Nikhil Wahi, os promotores dos EUA propuseram uma pena de prisão de 10 a 16 meses devido ao fato de ele ter lucrado quase US$ 900.000 com suas atividades ilícitas. No entanto, seus advogados de defesa propuseram um resultado alternativo, argumentando que sua força motriz por trás do crime era reembolsar seus pais por sua educação universitária e que ele não tinha antecedentes criminais.

VEJA MAIS:



Fonte

Related articles