Primeira ‘cruz da morte’ semanal da história – 5 coisas para saber sobre o Bitcoin esta semana

Related articles

O Bitcoin (BTC) começa uma nova semana abaixo de US$ 22.000, já que os touros não têm conseguido recuperar o terreno perdido em fevereiro.

Após uma volatilidade modesta em direção ao fechamento semanal, o par BTC/USD ainda está perto de mínimas de três semanas, à medida que uma nova configuração entra em vigor tendo US$ 22.000 como resistência.

No entanto, a maior criptomoeda do mercado está no início de uma semana importante de divulgação de dados macroeconômicos, com muitas oportunidades para o retorno da volatilidade.

Em primeiro lugar, há a impressão de janeiro do Índice de Preços ao Consumidor (CPI) dos Estados Unidos, que será divulgado em 14 de fevereiro.

Outras impressões de dados serão divulgadas ao longo da semana e os analistas estarão de olho nas respostas dos mercados de criptomoedas e do dólar ao cenário econômico mais amplo.

Dentro dos círculos do Bitcoin, os dados mostram que as baleias estão aproveitando a oportunidade para acumular BTC nos níveis atuais, em um vislumbre de esperança para aqueles que esperam que a recuperação do preço do Bitcoin em 2023 possa ter continuidade.

Ao mesmo tempo, um formidável evento está causando desconforto para alguns – o Bitcoin pode evitar uma queda significativa com a confirmação de sua primeira “cruz da morte” semanal?

O Cointelegraph analisa essas questões e muito mais no resumo semanal dos possíveis gatilhos do mercado de Bitcoin para a próxima semana.

Bitcoin confirma “quebra” do gráfico semanal

Com cerca de US$ 21.800, o último fechamento semanal teve poucas surpresas reservadas para aqueles de ambos os lados do balcão do Bitcoin, mostram os dados do Cointelegraph Markets Pro e da TradingView.

Com o menor nível desde meados de janeiro, o evento selou a tão esperada retração do par BTC/USD depois de passar janeiro experimentando uma ação de preço ascendente quase sem impedimentos.

Agora, a atenção está focada na manutenção dos principais níveis de suporte. Principalmente na forma de linhas de tendência de longo prazo recuperadas como suporte durante o período de janeiro.

Em uma nova atualização aos seus seguidores no Twitter publicada em 13 de fevereiro, o popular trader Crypto Tony confirmou que US$ 21.400 é o nível em que a situação poderia ficar interessante.

“A partir daí, podemos realmente avaliar se os touros têm capacidade para salvar os ursos ou levá-los ao abate”, dizia parte do comentário.

Gráfico anotado BTC/USD. Fonte: Crypto Tony/ Twitter

Aumentando o zoom, Daan Crypto Trades observou que o par BTC/USD estava entre a média móvel exponencial (EMA) de 200 e 400 períodos no gráfico de 4 horas.

“Parece que vamos abrir com uma pequena lacuna abaixo de nós enquanto falamos. No geral, apenas um fim de semana agitado para o BTC com algumas alts aparecendo. Aguardando o CPI. Provavelmente não haverá muita ação antes disso”, resumiu.

Gráfico anotado BTC/USD. Fonte: Daan Crypto Trades/ Twitter

Enquanto isso, uma linha mais formidável na areia vem na forma da média móvel de 200 dias. Embora ainda em torno de US$ 20.000, o nível agora constitui um suporte importante para manter os touros no controle.

$BTC

Reflexões de domingo à noite

Compartilhado anteriormente no relatório do BTC, mas estes são alguns pontos-chave:

– OB semanal
– Alta de janeiro invalidada
– Preço de desenho do HTF FVG
– 200MA alinhanda com consolidação prévia
– Vamos ver como o sentimento do mercado abre
– Planos para ambos, mas favorecendo um recuo

Feliz domingo

— B C Richfield (@BC_Richfield)

Em prazos semanais, o cenário não é melhor, alerta o trader e analista Rekt Capital. Sinalizando US$ 21.839 como um possível ponto de interesse, ele disse que um fechamento semanal abaixo disso “confirmaria a quebra” do par BTC/USD, um movimento que acabou se materializando de fato.

Esse mesmo nível atuou como resistência várias vezes desde meados do ano passado.

Gráfico anotado BTC/USD. Fonte: Rekt Capital/ Twitter

Impressão “mais importante” do CPI “mais importante”

O cenário macro deve ser dominado por um evento em particular nesta semana, com a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor (CPI) dos EUA de janeiro em 14 de fevereiro.

As apostas são de que a inflação continuará caindo em um movimento que ainda pode impulsionar os ativos de risco, apesar da queda no início de fevereiro.

A questão é complicada, no entanto, por conta de uma atualização na forma de como o CPI é calculado. Mas os analistas contestam sua importância em relação à tendência geral de recuo da inflação.

Independentemente disso, no entanto, a inflação do mês passado está sendo observada de perto muito além dos círculos de criptomoedas.

“A impressão da CPI na terça-feira é a mais importante até o momento. Após um forte relatório de empregos em janeiro e o CPI ‘revisado’ em alta em dezembro, a incerteza está em toda parte ”, disse o boletim do mercado de capitais, The Kobeissi Letter, aos seus seguidores do Twitter no fim de semana.

“Tanto os touros quanto os ursos precisam que o CPI siga seu caminho. Qualquer lado que esteja certo conduzirá o mercado no mês que vem.”

Enquanto isso, o trader e analista popular Myles G destacou as consequências para as criptomoedas caso o CPI fique mais alto do que o esperado, alertando que isso provocaria uma “descarga grande no mercado.”

“Quase todas as divulgações do CPI nos últimos 6 meses provocaram despejos instantâneos, e em seguida uma recuperação imediata depois que os traders digeriam os dados”, observou o colega trader Satoshi Flipper sobre a relação entre o CPI e a volatilidade do mercado.

“Será diferente desta vez?”

Gráfico do CPI dos EUA. Fonte: Escritório de Estatísticas Trabalhistas

Até que ponto o CPI desempenha um papel nos ajustes da política monetária do Banco Central dos EUA (Fed) também é um tópico de debate no momento, depois que o presidente Jerome Powell sugeriu que outra métrica pode ser a ferramenta “mais importante” para monitorar a inflação no final do ano passado.

Com a próxima decisão sobre as taxas de juros agendada apenas para a terceira semana de março, os formuladores de políticas já terão os números do CPI de fevereiro em mãos, caso janeiro mostre uma anomalia inesperada.

Primeira “cruz da morte” semanal desperta preocupação

O Bitcoin está preso entre duas “cruzes” este mês em um cenário curioso, que está dividindo opiniões quando se trata de seu significado.

Como o Cointelegraph relatou, uma “cruz de ouro” nos gráficos diários está se opondo a uma “cruz da morte” no gráfico semanal.

Esta última ocorrerá pela primeira vez na história do par BTC/USD, mas cruzes de morte em outros prazos geralmente precedem uma queda significativa nos preços.

Gráfico semanal BTC/USD (Bitstamp) com . Source: TradingView

Ainda não se sabe se a cruz de ouro no gráfico diário repetirá os padrões históricos e impulsionará o mercado, mas, enquanto isso, outra nova cruz está ocorrendo.

Conforme observado por Caleb Franzen, analista sênior de mercado da Cubic Analytics, a média móvel exponencial (EMA) de 1 ano do Bitcoin está prestes a cair abaixo de sua contraparte de 3 anos pela primeira vez na história.

“Esse cruzamento nunca aconteceu antes, destacando a profundidade do mercado de baixa do BTC”, escreveu ele em parte de um comentário no Twitter em 11 de fevereiro.

O evento de fato ocorreu em meados de dezembro, mas a EMA de 1 ano continuou a cair, mergulhando cada vez mais abaixo das EMAs de 3 e 2 anos.

Na análise anexa, Franzen argumentou que o cruzamento poderia reformular o comportamento do mercado de baixa do Bitcoin. Desta vez, a depressão pode ser mais difícil e prolongada do que no passado.

“Embora muitos investidores de Bitcoin tenham notado que o BTC normalmente chega ao fundo cerca de 400 dias após o pico do mercado de alta, este gráfico sugere que desta vez é diferente”, escreveu ele.

“Considerando que nunca vimos esse sinal até agora, a implicação é que a tendência de 1 ano pode ficar abaixo da tendência de 3 anos ainda mais!”

Ele continuou dizendo que a EMA de 2 anos também pode acabar cruzando abaixo da EMA de 3 anos, o que também constituiria um evento inédito.

“Pessoalmente, não ficaria surpreso se isso ocorresse nos próximos 6 meses como resultado de mais ações laterais ou consolidação descendente”, prevê.

Gráfico semanal BTC/USD (Bitstamp) com 52, 104, 156MA. Fonte: TradingView

Baleias permanecem engajadas

Quando se trata do interesse no Bitcoin a preços atuais, as baleias parecem estar dando o tom.

Em dados divulgados em 13 de fevereiro, a empresa de pesquisa Santiment observou que as baleias intensificaram a atividade de transações quando o par BTC/USD caiu para US$ 21.600 no fechamento semanal.

“O Bitcoin caiu para US$ 21,6 mil no domingo, e os endereços das baleias responderam com a maior taxa de transações em 3 meses”, resumiu a Santiment.

Sanr_king, colaborador da comunidade Santiment, considerou os movimentos das baleias “significativos”.

Gráfico de transações de baleias do Bitcoin. Fonte: Santiment/ Twitter

Enquanto isso, um instantâneo da atividade do livro de ordens da Binance mostrou a presença de uma grande baleia em 12 de fevereiro, junto com uma nova parede de vendas logo acima de US$ 22.000 no fechamento semanal.

O recurso de análise on-chain Material Indicators observou que os dados “mostram que a nova liquidez das ordens de compra coincide com a resistência na média móvel de 21 dias e no Fib de 0,618”.

“Independentemente de quão alto os touros do BTC possam empurrar antes do fechamento e da abertura semanais, espera-se que a Cruz da Morte tenha um impacto adverso no momento ascendente de curto prazo”, comentou, referenciando a ocorrência do gráfico semanal acima mencionado.

Dados do livro de ordens BTC/USD (Binance). Fonte: Material Indicators/ Twitter

Hodlers recuperam a saúde

Independentemente do que as baleias escolham fazer, o hodler médio ainda não está no lucro, mostram os dados.

De acordo com a empresa de análise de dados on-chain Glassnode, os detentores de longo prazo (LTHs) estiveram ocupados acumulando novas posições no mês passado, em particular.

A métrica de Mudança das Posições Líquidas de Hodlers de Bitcoin atingiu máximas de três meses em 13 de fevereiro, marcando um retorno ao comportamento de hodling não visto desde o desastre do FTX.

Gráfico de mudança da posição líquida dos hodlers de Bitcoin. Fonte: Glassnode

Para os LTHs que optam por sacar algumas de suas moedas, as condições também estão melhorando. Na edição anterior de seu boletim semanal, “The Week On-Chain”, a Glassnode descreveu a lucratividade se “recuperando” em 2023.

O relatório referenciou a métrica Taxa de Lucro de Saída Gasta (SOPR), que mede a proporção relativa de moedas com lucro que aparecem nas transações.

“Avaliando os detentores de longo prazo, podemos observar um regime persistente de perdas sustentadas desde o colapso do LUNA”, escreveu.

“Apesar dos LTHs continuarem a sofrer perdas nos últimos 9 meses, há sinais iniciais de recuperação, com uma potencial tendência de alta no LTH-SOPR começando a se formar.”

Gráfico LTH-SOPR do Bitcoin (captura de tela). Fonte: Glassnode

As visões, pensamentos e opiniões expressas aqui são exclusivas dos autores e não necessariamente refletem ou representam as visões e opiniões do Cointelegraph.

LEIA MAIS



Fonte