Índice de censura do Ethereum atinge menor nível desde novembro de 2022

Os problemas de censura do Ethereum (ETH) parecem estar sendo resolvidos de forma rápida. Desde o início de fevereiro, o número de blocos censuráveis caiu de 62% para 43% nesta sexta-feira (24), apontam dados do MEV Watch. Este é o nível mais baixo desde o dia 21 de novembro, quando o número de blocos censuráveis chegou a representar 79% da rede.

Recorde de sanções

Em 2022, o Tesouro dos Estados Unidos e a Agência de Controle de Ativos Estrangeiros do país (OFAC, na sigla em inglês) bateram recordes de sanção contra plataformas e carteiras. Os dados são de um relatório publicado pela Chainalysis em 16 de fevereiro.

Dentre as plataformas sancionadas pelo Tesouro dos EUA está o mixer de criptomoedas Tornado Cash. Após as restrições, coube à OFAC garantir que as medidas estavam sendo implementadas pelos players do mercado cripto.

Isso influenciou diretamente o aumento de blocos ‘censuráveis’ do Ethereum, nome dado aos blocos acrescentados à rede por relayers que precisam respeitar as diretrizes da OFAC. Todo operador da indústria blockchain situado nos Estados Unidos deve obedecer às regras impostas pela Agência, e isso inclui a Flashbots.

Redução na censura

A Flashbots é uma solução usada por validadores do Ethereum para extrair o máximo de lucratividade de um bloco, através do ordenamento arbitrário de transações. Essa prática de extrair o máximo de valor é definida pela sigla em inglês MEV. Uma vez que diversos validadores usam o relayer da Flashbots para incluir blocos na rede, é necessário censurar transações que venham de entidades banidas pela OFAC.

No fim de janeiro, quando os blocos passíveis de intervenção da OFAC representavam 67%, dois pesquisadores previram um declínio na censura em entrevista ao Cointelegraph Brasil. Rony Szuster, do MB Research, e Guiriba, da Paradigma Education, comentaram que a implementação de relayers agnósticos reduziriam o número de blocos censuráveis.

Relayers são os responsáveis por incluir os blocos no Ethereum. Um relayer agnóstico, por sua vez, é aquele que não diferencia as transações entre passíveis de censura ou não. A previsão dos dois pesquisadores foi acertada, tendo em vista o movimento de queda que se seguiu desde o fim de janeiro até então.

Leia mais:

  • Reciclar para ganhar, uma nova fronteira para a tecnologia blockchain em direção aos objetivos ESG;
  • BTG Pactual encerra o token ReitBZ com R$ 4 milhões distribuído aos holders;
  • Análise de preços 24/02: BTC, ETH, BNB, XRP, ADA, DOGE, MATIC, SOL, DOT, SHIB.

Fonte

Related articles