EUA declaram guerra contra mineradores de Bitcoin e propõem “imposto especial”

Related articles

Buscando equilibrar suas contas, o governo americano propôs aumentos fiscais em uma série de negócios que funcionam em seu país. Uma delas é a mineração de Bitcoin e outras criptomoedas, listada na página 78 do extenso documento oficial.

Em suma, o Departamento do Tesouro quer que mineradores de Bitcoin paguem 30% a mais do que estão pagando pela eletricidade atualmente. Tal aumento seria feito gradualmente ao longo de três anos.

Outro ponto que chama atenção é que as empresas precisariam pagar este extra mesmo quando não utilizam a rede padrão, ou seja, caso sejam alimentadas por usinas privadas.

Imposto especial de 30% para mineradores de Bitcoin

Chamando a proposta de “imposto especial”, o governo americano inicia mais uma batalha contras as criptomoedas. Desta vez o alvo são os mineradores de Bitcoin, que já não estão muito bem financeiramente.

“Qualquer empresa que use recursos de computação para minerar ativos digitais estaria sujeita a um imposto especial de consumo igual a 30% dos custos da eletricidade usada na mineração.”

Seguindo, o texto aponta que este aumento seria gradual. Ou seja, 10% de aumento no primeiro ano, chegando a 20% no segundo e, por fim, 30% no terceiro ano e adiante.

Outro ponto que chama atenção é que este imposto seria cobrado até mesmo de mineradoras que compram energia elétrica de terceiros, fora da rede.

“As empresas que produzem ou adquirem energia fora da rede, por exemplo, usando a produção de uma determinada usina de geração de eletricidade, estariam sujeitas a um imposto especial de consumo igual a 30% dos custos estimados de eletricidade.”

Por fim, além do dinheiro com o novo imposto, os EUA também deseja reunir dados sobre a indústria de mineração de Bitcoin. Afinal, mineradoras precisariam revelar tanto a quantidade quanto custos de produção, o que pode ser usado contra as mesmas no futuro.

Mineradores não estão muito bem financeiramente

Enquanto a maior mineradora dos EUA já declarou falência em dezembro do ano passado, outras tantas estão precisando vender todos seus bitcoins produzidos para arcar com os custos de eletricidade, que saltaram devido à inflação do dólar.

Além destes custos elevados, a forte queda do Bitcoin e o aumento no hash rate rede também abalaram o setor nos últimos anos. Ou seja, mineradores tiveram seus lucros espremidos por conta da baixa do BTC e da maior concorrência.

Portanto, muitos players da indústria já estão fragilizados e esse “imposto especial” proposto pelos EUA deve dificultar ainda mais suas operações. Por fim, estima-se que os EUA sejam o maior produtor de Bitcoin do mundo, com 37,8% da produção global.



Fonte