Corretoras podem ficar sem bitcoin até 2025, diz especialista

quantidade de bitcoins em corretoras

Embora a recente falência da FTX e outras corretoras tenha acelerado este processo, o número de bitcoins retirados de corretoras tem caído desde o início de 2020. Baseado nisso, o analista James Straten aponta que as corretoras podem ficar sem bitcoins ainda em 2015, ou seja, daqui a dois anos.

Mesmo que não cheguemos a tal nível, a simples redução aponta que investidores estão desconfiados com a indústria. Em outras palavras, estão optando pela autocustódia de seus bitcoins, o que é altamente recomendado.

Como consequência, também podemos esperar uma redução da pressão vendedora, ou seja, menos resistência, o que pode fazer o Bitcoin valorizar.

Neste ritmo, corretoras ficarão sem bitcoin

Enquanto saldos de carteiras mantidas por corretoras tiveram um grande crescimento entre 2013 e 2020, quando atingiram seu pico, o oposto está acontecendo nos últimos três anos.

Mais recentemente, a desconfiança tomou conta do setor, levando corretoras a correrem para divulgar suas provas de reservas enquanto tentavam conter o pânico. Mesmo assim, milhares de bitcoins foram retirados de corretoras após a falência da FTX.

Related articles

Levando este ritmo de saques em conta, um analista apontou que as corretoras poderão ficar sem Bitcoin ainda em 2025.

“Um milhão de bitcoins foram retirados das corretoras desde o pico em março de 2020”, escreve o analista James Straten. “De 3,2 milhões para 2,2 milhões, que é aproximadamente 11,7% da oferta circulante.”

“600 mil BTC foram retirados em 2022, a esta taxa as corretoras estarão secas em 2025/2026.”

Número de bitcoins em corretoras está em queda desde o início de 2020. Falência de gigantes em 2021 deixou investidores desconfiados, acelerando o processo. Fonte: Glassnode.

Outro ponto importante é que poderemos observar o aumento de depósitos quando o mercado sinalizar que está pronto para vender.

No gráfico acima, por exemplo, é possível observar que isso aconteceu duas vezes em 2021, aproximadamente em abril e novembro, quando o BTC atingiu os US$ 64.900 e US$ 69.000, respectivamente, caindo logo em seguida.

Portanto, além dos investidores estarem percebendo a importância da autocustódia, o declínio de saldos em carteiras de corretoras também pode dar pista quando é a hora de vender, complementando outras ferramentas como o índice de medo e ganância do mercado.

Bitcoin em queda nesta quinta-feira (9)

Embora a teoria acima aponte que o mercado está longe de seu pico, o Bitcoin está apresentando uma ligeira queda nesta quinta-feira (9), com retração de 1% no gráfico diário. Outras criptomoedas acompanham a tendência.

No entanto, o valor de mercado das criptomoedas segue acima do US$ 1 trilhão, faixa que pode ser tratada como um grande suporte.

Ao que tudo indica, touros podem estar tomando fôlego antes de tentar quebrar a barreira dos US$ 25.000, que promete ser uma região disputada. Além disso, rumores sobre a SEC estar querendo proibir staking de criptomoedas também pode ter afetado o mercado.



Fonte