Charlie Munger não estudou o Bitcoin, diz Michael Saylor

Related articles

Charlie Munger, vice-Presidente da Berkshire Hathaway e braço direito do maior investidor de todos os tempos, Warren Buffet, recentemente pediu a proibição das criptomoedas nos EUA, argumentando que elas são parecidas com jogos de azar e carecem de regulamentação.

Em resposta, o bilionário Michael Saylor, CEO da MicroStrategy, argumentou que muitos líderes empresariais não entendem de bitcoin ou criptomoedas.

Em entrevista à CNBC nessa sexta-feira (3), Saylor expressou empatia com as preocupações de Charlie Munger com as criptomoedas, no entanto, sugeriu que Munger pode não ter tido a chance de estudar o assunto a fundo.

Criptomoedas e jogos de azar

Saylor disse acreditar que se Munger tivesse estudado o Bitcoin por 100 horas, ele teria uma visão mais positiva sobre a criptomoeda, independentemente de sua idade.

“Se ele fosse um líder de negócios na América do Sul, na África ou na Ásia e passasse 100 horas estudando o problema, ele estaria mais otimista com o bitcoin do que eu”, disse Saylor, acrescentando:

“As elites ocidentais não tiveram tempo para estudar… mas eu nunca conheci alguém com um incentivo vivendo no resto do mundo que passasse algum tempo pensando sobre isso e que não estivesse entusiasmado com o bitcoin.”

O CEO da Microstrategy concordo com Munger e reconheceu a semelhança entre as criptomoedas e os jogos de azar:

“Concordo com parte da comparação de Munger [entre criptomoedas e jogos de azar], suas críticas sobre as criptomoedas não estão completamente erradas. Existem 10.000 criptomoedas que são apostas, e eu concordo com ele nesse assunto.”

Enquanto isso, os entusiastas de bitcoin disseram nas redes sociais que é difícil fazer um homem entender alguma coisa, quando seu salário depende de ele não entender.

Segundo alguns críticos, Munger e Buffet se beneficiaram durante toda a vida por estarem perto da impressora de dinheiro e dos grandes bancos de Wall Street. Assim, claro que eles não entendem Bitcoin.

Braço direito de Warren Buffet odeia o Bitcoin

As declarações de Michael Saylor vieram após Munger publicar um artigo de opinião no Wall Street Journal e pedir a proibição das criptomoedas nos Estados Unidos.

“Uma criptomoeda não é uma moeda, nem uma mercadoria, nem um título. Em vez disso, é um jogo de azar com uma vantagem de quase 100% para a casa, celebrado em um país onde os contratos de jogo são tradicionalmente regulamentados apenas por estados que competem em frouxidão”, disse Munger no artigo.

Apesar de concordar em partes com Munger e reconhecer as semelhanças entre as criptomoedas e os jogos de azar, o apoio de Michael Saylor ao Bitcoin permanece inabalável.

Saylor expressou sua dedicação à adoção global do Bitcoin e ao objetivo de conectar o mundo por meio de sua participação no desenvolvimento da Lightning Network.

O bilionário também apontou que a indústria de criptomoedas deve prosperar, com grandes empresas como Goldman Sachs, Morgan Stanley e Blackrock entrando no setor.

Finalizando, ele destacou a importância de regulamentações claras por parte do Congresso e da SEC (Securities and Exchange Commission) para garantir a segurança dos investidores e a integridade do mercado.



Fonte