Empresa brasileira pode ser a chave para impulsionar alta de 500% no Bitcoin que pode ir para mais de US$ 150 mil

Uma empresa brasileira pode ser a chave para impulsionar uma alta de mais de 500% no preço do Bitcoin (BTC) levando a maior criptomoeda do mercado a superar sua marca histórica de US$ 69 mil e caminhar rumo a US$ 150 mil. Isso ocorre, pois a brasileira Hashdex pode ser a primeira empresa do mundo a aprovar um ETF Spot de Bitcoin nos EUA.

A empresa já opera no mercado americano diversos produtos de criptomoedas, entre eles, um ETF de Futuros de Bitcoin. No entanto, a empresa disse ao Blockworks que está pronta para converter seu ETF para um ETF Spot, considerando que a clareza regulatória em torno de tal fundo está chegando.

Os dois últimos mercados de alta para o Bitcoin ocorreram, entre outros pontos, motivados pelo lançamento de produtos ligados a criptomoedas no mercado de investimentos dos EUA. O primeiro deles, em 2017, quando o BTC bateu US$ 20 mil coincidiu com o lançamento dos primeiros produtos de Bitcoin Futuros na CME e CBOE.

Já o mercado de alta de 2020-21, coincidiu com o lançamento dos primeiros ETFs de Futuros de Bitcoin nos EUA, que culminaram com uma maior exposição de empresas e investidores institucionais no mercado de criptoativos.

Além disso, desde 2013, quando o primeiro ETF Spot relacionado a criptomoedas foi proposto, investidores, analistas e traders apontam que a aprovação de um ETF Spot cripto seria um catalisador de alta sem precedentes pois habilitaria o Bitcoin como um produto de investimento para inumeras empresas, fundos institucionais e uma ampla gama de investidores em todo o mundo.

Segundo Bruno Sousa, chefe dos negócios da Hashdex nos EUA, o ETF Spot da empresa brasileira tem uma vantagem por usar o Securities Act de 1933 (’33 Act) (outros ETFs e produtos cripto nos EUA também usam o 33act), enquanto os demais ETF e pedidos de ETF Spot que foram usam o 40 act.

Hashdex pode catalisar próxima alta do Bitcoin

Interessante notar que a empresa brasileira já fez história no ecossistema cripto ao lançar o primeiro ETF de Bitcoin do mundo, em fevereiro de 2021 na Bolsa de Valores das Bermudas. Logo depois surgiram os primeiros ETFs de BTC nos EUA e no Brasil. Agora, Sousa argumentou que o ETF da Hashdex teria um “processo mais simples” para obter a aprovação e ser lançado nos EUA.

“Nossa conversão não é realmente uma conversão; é apenas uma mudança na política de investimento – um procedimento muito simples. E iremos arquivar novamente sempre que houver um fato novo que possa nos levar à ideia de que a SEC pode se posicionar de maneira diferente”, disse.

O primeiro ETF de futuros de bitcoin nos EUA, o ProShares Bitcoin Strategy ETF (BITO), chegou ao mercado em outubro de 2021. Foi arquivado sob a estrutura ’40 Act. A Valkyrie Investments, que lançou um ETF de futuros de Bitcoin também arquivado no ’40 Act naquele mês, obteve aprovação para um ETF de futuros de Bitcoin baseado no ’33 Act no ano passado.

“É possível que aconteça este ano (aprovação de um ETF Spot de Bitcoin) se o mundo não explodir com tudo o que está acontecendo, e o pessoal em DC, Nova York e outros lugares não tiverem que se concentrar em salvar o atual sistema financeiro. Mas o ETF Spot de Bitcoin vai sair, e está cada vez mais perto disso acontecer”, disse.

A briga pela aprovação de um ETF Spot de Bitcoin é antiga e envolve as maiores empresas do mercado. A Grayscale Investments está envolvida em um processo contra a SEC depois que o regulador recusou no ano passado a proposta de conversão do Bitcoin Trust (GBTC) da empresa em um ETF.

As ações da GBTC agora são oferecidas por meio de uma colocação privada isenta de registro sob a Lei ’33. Como resultado, eles estão inicialmente disponíveis apenas para investidores credenciados. 

LEIA MAIS

Fonte

Related articles