Depois de alta de 15%, preço do Bitcoin volta para US$ 24 mil

A principal criptomoeda do mercado, o Bitcoin ( BTC ), está cotada na manhã desta quarta-feira, 15/03/203, em R$ 129.254,95. Depois de registrar sua maior alta no ano com mais de 15% de valorização e seu maior valor no ano, acima de US$ 26 mil, o preço do Bitcoin diminuiu seus ganhos e retornou para US$ 24 mil e, possivelmente, deve permanecer nesta marca ao longo do dia.

Os níveis acima de US$ 25 mil se mostraram novamente uma resistência forte e logo que foram batidos houve um retrocesso para a faixa de US$ 24 mil. No entanto, com a alta, mais de US$ 200 milhões em shorts foram liquidados. Agora, depois do frenesi, é que será possível distinguir se a tendência de alta será mantida ou se foi apenas um movimento isolado.

“Após novo teste na resistência de 25 mil dólares, o BTC ainda não conseguiu nos entregar um fechamento diário acima desse preço. Fizemos um movimento muito parecido em agosto de 2022, onde os compradores não conseguiram ultrapassar essa região. Não aconselho fazer qualquer compra nesse momento, até que se rompa de fato essa resistência”, destaca Fernando Pereira, gerente de conteúdo da Bitget.

Portanto, o preço do Bitcoin em 15 de março de 2023 é de R$ 129.254,95.

Sinais para ficar atentos

O analista Nivesh Rustg destaca que embora as condições macroeconômicas possam atualmente favorecer os investidores de criptomoedas no momento, certos indicadores on-chain e no mercado sugerem uma possível correção no curto prazo.

Ele aponta que em 13 de março, os dados da Glassnode para o fluxo de BTC nas exchanges registraram a entrada mais significativa nas corretoras desde maio de 2022. Isso significa mais oferta nas exchanges e pressão de venda potencialmente maior.

“Outro indicador importante da Glassnode mostra que os investidores de longo prazo, holders, estão vendendo seus BTCs o que pode também ajudar a impulsionar a correção de curto prazo”, destaca.

Além disso, segundo ele, a taxa de financiamento para swaps perpétuos de Bitcoin também é elevada, isso quer dizer que mais traders estão apostando no lado positivo com posições alavancadas, aumentando o risco de uma correção.

“O forte movimento de preços também registrou um aumento significativo no Índice de Força Relativa (RSI), um indicador de momento técnico, com uma leitura de até 82. Isso significa que BTC/USD é geralmente considerado “sobrecomprado” no curto prazo”, destaca.

Elel também afima que o preço do BTC está atualmente formando um padrão de cunha em expansão, que retrata o nível elevado de volatilidade. Tanto os compradores quanto os vendedores estão empurrando o preço além dos níveis de suporte e resistência, com as reversões chegando rapidamente.

“Os compradores não conseguiram romper o padrão em 14 de março e agora enfrentam resistência em seu teto de US$ 26.700. Ao mesmo tempo, há uma chance de que o preço volte ao fundo do padrão, em torno de US$ 19.500, nos próximos dias. Pelo contrário, se o preço do Bitcoin ultrapassar a linha de tendência superior, os touros provavelmente se acumularão para empurrar o preço para US$ 30.000”, finaliza

O que é Bitcoin?

O que é Bitcoin? O Bitcoin (BTC) é uma moeda digital, que é usada e distribuída eletronicamente. O Bitcoin é uma rede descentralizada peer-to-peer. Nenhuma pessoa ou instituição o controla.

O Bitcoin não pode ser impresso e a sua quantidade é muito limitada – somente 21 milhões de Bitcoins podem ser criados. O Bitcoin foi apresentado pela primeira vez como um software de código aberto por um programador ou um grupo de programadores anônimo sob o codinome Satoshi Nakamoto, em 2009.

Houve muitos rumores sobre a identidade real do criador do BTC, entretanto, todas as pessoas mencionadas nesses rumores negaram publicamente ser Nakamoto.

O próprio Nakamoto afirmou ser um homem de 37 anos que vive no Japão. No entanto, por causa de seu inglês perfeito e seu software não ter sido desenvolvido em japonês, há dúvidas razoáveis sobre essas informações. Por volta da metade de 2010, Nakamoto foi fazer outras coisas e deixou o Bitcoin nas mãos de alguns membros proeminentes da comunidade BTC.

Para muitas pessoas, a principal vantagem do Bitcoin é sua independência de governos mundiais, bancos e corporações. Nenhuma autoridade pode interferir nas transações do BTC, impor taxas de transação ou tirar dinheiro das pessoas. Além disso, o movimento Bitcoin é extremamente transparente – cada transação única é armazenada em um grande ledger (livro-razão) público e distribuído, chamado Blockchain.

Essencialmente, como o Bitcoin não é controlado como uma organização, ele dá aos usuários controle total sobre suas finanças. A rede Bitcoin compartilha de um ledger público chamado “corrente de blocos” (block – bloco, chain – corrente). Esse ledger contém todas as transações processadas. Os registros digitais das transações são combinados em “blocos”. 

Se alguém tentar mudar apenas uma letra ou número em um bloco de transações, também afetará todos os blocos que virão a seguir. Devido ao fato de ser um ledger público, um erro ou uma tentativa de fraude podem facilmente ser detectados e corrigidos por qualquer pessoa.

A carteira do usuário pode verificar a validade de cada transação. A autenticidade de cada transação é protegida por assinaturas digitais correspondentes às dos endereços de envio.

Devido ao processo de verificação e, dependendo da plataforma de negociação, pode levar alguns minutos para que uma transação BTC seja concluída. O protocolo Bitcoin foi projetado para que cada bloco leve cerca de 10 minutos para ser minerado.

LEIA MAIS

Aviso: Esta não é uma recomendação de investimento e as opiniões e informações contidas neste texto não necessariamente refletidas nas posições do Cointelegraph Brasil. Cada investimento deve ser acompanhado de uma pesquisa e o investidor deve se informar antes de tomar uma decisão

Fonte

Related articles