‘degenerados’ compartilham histórias de seus investimentos arriscados

O relatório “Geografia das Criptomoedas” (tradução livre), publicado pela Chainalysis em outubro de 2022, aponta o Brasil como o país com maior índice de adoção de criptomoedas na América Latina. O país é também o maior caso de uso das moedas digitais como meio de especulação na região. 

O Cointelegraph Brasil conversou com investidores que têm maior apetite por risco, chamados de “degenerados”, e ouviu histórias de alguns de seus investimentos mais ousados. O anonimato dos investidores é preservado na matéria.

Casa como capital

A história do investidor identificado como Degenerado 1 começa com sua crença sobre os ciclos do mercado cripto. É uma teoria comum aos investidores de ativos digitais, que prevê os momentos de alta e baixa, dentro de um período de quatro anos, com base no halving do Bitcoin (BTC).

“Acredito nos ciclos de mercado e convenci meus pais a colocar nossa casa à venda no final de 2020, para aproveitar a possível grande alta que viria em 2021. Mas era uma casa cara, pouco líquida, e só foi vendida no final de 2021”, diz o Degenerado 1.

O investidor reconheceu que, ao fim de 2021, a alta das criptomoedas já estava muito próxima de seu final. Por isso, metade do dinheiro obtido através da venda da casa foi alocado no tesouro Selic. Foi com a outra metade que o Degenerado 1 resolveu especular, e escolheu a Anchor Protocol para alocar o restante do capital.

Anchor Protocol era a famosa plataforma do ecossistema Terra que pagava rendimentos de 19% ao ano sobre os depósitos em Terra USD (UST). O Degenerado 1 conta que o valor ficou até maio de 2022, quando a ‘espiral da morte’ fez com que o UST começasse a perder rapidamente sua paridade com o dólar.

“Vi que o UST estava perdendo a paridade e corri para sacar tudo da Anchor, para converter para USDC através de uma ponte para a Avalanche. Tudo isso enquanto o USD valia US$ 0,98.”

Apesar do susto, o investidor conta que conseguiu sair com aproximadamente R$ 100 mil de lucro.

Capital para a casa

O relato do Degenerado 2 é breve, mas envolve um valor alto. Ao contrário do Degenerado 1, que vendeu uma casa para gerar capital a ser investido, o Degenerado 2 usou uma plataforma descentralizada de empréstimos para financiar sua casa.

“Eu coloquei R$ 3 milhões em Ethereum na Aave e obtive R$ 1 milhão em stablecoins, que eu usei para construir minha nova casa. E detalhe: estou recebendo por isso, já que estou pagando juros de R$ 1 milhão, mas recebendo de R$ 3 milhões”, conta o Degenerado 2.

O risco na operação foi apenas o timing, já que os preços das criptomoedas caíram vertiginosamente em 2022, logo após o investidor tomar o empréstimo. Havia o risco de suas Ethers (ETH) dadas como colateral perderem a proporção de garantia, sendo executadas. 

Papel higiênico lucrativo

A história do Degenerado 3 envolve uma memecoin. Um dia, seu amigo resolveu desbravar uma plataforma que exibia os pools com maiores rentabilidades, e descobriu o token “Wipe My Ass”. Em português, e em tradução livre, o token significa “limpe minha bunda”. O token era representado pelo ícone de um rolo de papel higiênico.

“Meu amigo colocou uma pequena quantia de brincadeira, foi jantar e, quando voltou, já contava com 25% somados à quantia depositada”, conta o Degenerado 3. “Eu parei o que estava fazendo, coloquei um pequeno valor, vi os rendimentos subirem, vi os 260.000% de APR… Pensei que talvez valesse investir tudo que eu tinha na rede Solana, rede na qual a aplicação foi criada”, completa. O Degenerado 3, então, depositou cerca de R$ 15 mil no pool. 

“A cada 2,5 segundos eu ganhava um dólar. A cada dez minutos, eu tirava os rendimentos e convertia para USDC. Foi um dia no qual eu não dormi, porque eu poderia acordar no dia seguinte e o preço ter colapsado. Minha madrugada foi coletar os rendimentos, até o momento em que o pool cresceu e os rendimentos diminuíram, fazendo com que o risco não valesse mais a pena.”

O processo durou até às seis da manhã do dia seguinte, quando o Degenerado 3 retirou todo o valor do pool, com um lucro que ele avalia como significativo, e foi “dormir em paz”.

Dois por um

O Degenerado 4 compartilhou duas histórias. A primeira envolve a famosa coleção de NFTs CloneX. Ele conta que estava ansioso para o lançamento da coleção e, quando finalmente foi lançada, o preço para obter um token era 3 ETH. O modelo era de leilão holandês, no qual os preços vão decrescendo.

“Eu não tinha 3 ETH, porque isso era muito dinheiro na cotação da época. Tive que vender o que eu tinha de Star Atlas, com o plano de lucrar com o NFT da CloneX e recomprar depois minha ‘bag’ de Star Atlas. Não consegui 3 ETH com a venda, então comecei a procurar nas minhas carteiras, até conseguir completar o valor.”

Problemas no projeto, contudo, fizeram com que o leilão fosse interrompido no preço de 2,7 ETH. Embora tenha conseguido um NFT da coleção por 2,8 ETH, o Degenerado 4 acreditava que perderia seu dinheiro. “Pensei que esse problema afastaria as pessoas da coleção fazendo o preço despencar. Eu já me preparava para o pior.”

A equipe por trás do CloneX, a RTFKT, chegou a uma solução: abrir a venda pública dos NFTs, e presentear aqueles que participaram do leilão com um token extra da coleção. 

“Acordei no dia seguinte e eu tinha dois CloneX na carteira. Conferi com a equipe do projeto se era legítimo, e eles disseram que sim. Os NFTs da venda pública se esgotaram rapidamente, e o preço chegou ao dobro do que eu investi. Realizei os lucros e comprei novamente o que eu tinha do jogo Star Atlas.” 

Apesar do final feliz desta história, o Degenerado 4 não teve tanta sorte em outro investimento. Ele conta que, quando a Binance Smart Chain foi criada, muitas aplicações ofereciam rendimentos astronômicos. Com um grupo de amigos, ele ficava ‘caçando’ essas plataformas.

“Mas eu não tinha tanta noção nesses protocolos de quando vender os tokens, e sempre acabava perdendo. Foi aí que todo mundo resolveu entrar em um tal de PantherSwap. Comprei o token no topo, quase batendo US$ 4, e o preço do token despencou para menos de US$ 2. Fiquei revoltado, falei: vou esquecer isso de DeFi, sou horrível nessa de ficar caçando pirâmides”, conta.

Com um gosto amargo na boca, o Degenerado 4 resolveu realizar sua perda e sair da posição do token do projeto. O pior, porém, ainda estava por vir.

“Irmão, passou um dia, um dia, e eu abro o grupo do Telegram. Tava todo mundo dando mortal pra trás, gritando MIL REAIS, MIL REAIS, MIL REAIS. Todo mundo eufórico, porque a p**ra da pantera tinha batido quinze dólares. Quinze, vinte, trinta, e foi subindo exponencialmente. Eu fiquei maluco, com vontade de comer vidro. E é isso”, conclui o Degenerado 4.

Leia mais:

Fonte

Related articles